[Resenha] O Rei de Amarelo - Robert W. Chambers


O Rei de Amarelo faz alusão a um livro dentro do livro – mais precisamente, a uma peça teatral fictícia – e seu personagem central, uma figura sobrenatural cuja existência extrapola as páginas. Pouco se sabe a respeito do texto original em dois atos, exceto que seus leitores são levados à loucura, condenando sua alma à perdição. Um risco a que alguns aceitam se submeter, dado o caráter único da obra, um misto irresistível de beleza e decadência.
O livro fictício O Rei de Amarelo aparece em quatro dos dez contos reunidos na coletânea. Os outros seis contos alternam entre o sobrenatural e a realidade, em épocas e geografias diferentes. A introdução e as notas do jornalista e escritor Carlos Orsi, um dos autores publicados na antologia americana Rehearsals of Oblivion, clássico tributo a Robert W. Chambers, ajudarão novos leitores a mergulhar na bem-construída mitologia do autor.

Olá pessoal!
Hoje venho trazer para vocês a resenha do livro O Rei de Amarelo, do autor americano, Robert W. Chambers.

Essa resenha é bem especial, pois é parte de um projeto, junto com outras blogueiras, da qual faço parte em um grupo de leituras, chamado Parceiras do Milk.

Esse mês tivemos a ideia de fazermos uma #LeituraTemática e assim será todos os meses.
O gênero escolhido para esse mês foi: Suspense/Terror/Fantasia.

Gosto muito desse gênero, mas confesso que pouco leio, prefiro assistir filmes. Mas até que gostei da ideia de ler algo do gênero que gosto tanto, apesar de O Rei de Amarelo não ter me agradado tanto. Talvez por que não me envolvi tanto na leitura, talvez por que esperei demais dele.

Não posso dizer que não gostei do livro, pois gostei sim, mas foi apenas dos quatro primeiros contos.


O Rei de Amarelo é uma leitura difícil, complexa, com escrita rebuscada e um texto que precisa ser devidamente interpretado para que não se perca a atmosfera que sua leitura proporciona. O livro faz muitas referências que facilmente passarão despercebidas ao leitor desatento (portanto, foco!). As notas deixadas pelo revisor do texto acabam por tornarem-se mais que valiosas, pois além das referências que Chambers faz a elementos e fenômenos da realidade, da cultura e da Histórias, há também referências que ligam um conto ao outro, ainda que implicitamente. Existem, ainda, muitos mistérios em torno da “Mitologia Amarela” de Chambers, alguns dos quais jamais poderão ser desvendados, dando margem para diversas suposições.

A própria natureza de “O Rei de Amarelo”, um livro em forma de peça teatral presente em alguns dos contos, é um mistério proposital, e o pouco que é revelado, já nos fornece muito para pensar.

O Rei de Amarelo, de Robert W. Chambers (1865-1933) é um clássico na literatura fantástica. O livro reúne 10 contos, sendo a primeira parte mais fantástica, reunindo quatro contos. São eles, "O Reparador de Reputações", "A Máscara", "No Pátio do Dragão" e "O Emblema Amarelo". Todos eles citam a peça O Rei de Amarelo, que quando as pessoas o leem, ficam insanas. Na segunda parte, mais quatro contos, "A Rua dos Quatro Ventos", "A Rua da Primeira Bomba", "A Rua de Nossa Senhora dos Campos e "Rue Barrée". Esses quatro últimos mais realistas. Entre o intervalo desses oito contos, está "A Demoiselle dYs" e "O Paraíso do Profeta".

A escrita de Chambers é bastante marcante, o que para mim, tornou a leitura muita densa. Nos primeiros quatro contos, ele cria personagens aparentemente normais, até ler um livro com a capa de pele de cobra. Esse livro é O Rei de Amarelo, o qual só dá para conhecer alguns fragmentos da peça que o autor cita nesses contos. Após ler esse livro, que é uma peça, os personagens ficam insanos. Loucos.

Alguns pontos fortes dessa edição da Intrínseca são as notas presentes nos finais de cada conto e a excelente introdução de Carlos Orsi, jornalista e escritor, que nos ajudam a entender um pouco mais todo o universo de Chambers. Ele nos mostra relações possíveis entre um conto e outro, semelhanças entre personagens e ainda nos apresenta as referências de Chambers usadas durante a narrativa, que mesmo um leitor super atencioso não perceberia. Carlos nos faz refletir ainda mais sobre a obra, proporcionando um maior entendimento, pois ela é bem complexa.

Quando comprei o livro, estava com altíssimas expectativas e acabei me frustando. Sim, os contos são legais, em sua maioria, mas não me causaram o impacto que eu pensei que causariam. Eu esperava algo mais tenso e misterioso, um verdadeiro terror. Não houve também um envolvimento com os personagens, ainda mais porque acabava me confundindo com os nomes.

Enfim, pra quem gosta bastante de livro de contos, o livro é uma boa pedida. O universo relatado por Chambers com uma tradução mais atual, diferente do esperado por ter sido escrito no final do século XX, é bem original e intrigante, porém exige dedicação.

Título: O Rei de Amarelo// Autor: Robert W. Chambers// Editora: Intrínseca// Páginas: 256// Minha Classificação: 3/5

Confira as outras resenhas das “Parceiras do Milk”:


1) Louise: Blog  •  Instagram
2) Raissa: Blog  •  Instagram
3) Maria Simone: Blog  •  Instagram
    Wall: Instagram
    Jocasta: Blog  •  Instagram
4) Simone: Instagram
5) Fernanda: Instagram
6) Alessandra: Instagram
7) Adriana: Instagram
8) Débora: Blog  •  Instagram
9) Érica: Blog  •  Instagram
10) Neyla: Blog  •  Instagram


Apoio: Mimos da Rê:



4 comentários:

  1. Oie! Grazi!!! Rs Nossa, que livro complicado de ler, heim, esse Rei amarelo rs Amei a sua resenha, ficou uma Fofura! ✨📚💕😊

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Lou!
      É uma leitura bem densa mesmo, precisa de atenção, mas vale a pena investir.
      Obrigada! ;)

      Excluir
  2. Olá,gosto de livros de conto.Mas confesso que não tenho lido muitos ultimamente.
    E um dos meus gêneros favoritos são os livros de mistério. Se há pitadas de fantasia,melhor ainda!
    Mas não sei se esse livro me agradaria tanto...Só lendo mesmo para ter uma ideia.
    De qualquer forma,gostei da dica!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gosto de livros de contos, apesar de não ler muitos.
      O rei de amarelo, é bom, mas é daqueles livros que um pouco de "viagem" na leitura, você não entende mais nada. rsrs

      Beijos.

      Excluir

Resenhas