[Resenha] A Cidade do Sol - Khaled Hosseini

Mariam tem 33 anos. Sua mãe morreu quando ela tinha 15 anos e Jalil, o homem que deveria ser seu pai, a deu em casamento a Rashid, um sapateiro de 45 anos. Ela sempre soube que seu destino era servir seu marido e dar-lhe muitos filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Laila tem 14 anos. É filha de um professor que sempre lhe diz: "Você pode ser tudo o que quiser." Ela vai à escola todos os dias, é considerada uma das melhores alunas do colégio e sempre soube que seu destino era muito maior do que casar e ter filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Confrontadas pela história, o que parecia impossível acontece: Mariam e Laila se encontram, absolutamente sós. E a partir desse momento, embora a história continue a decidir os destinos, uma outra história começa a ser contada, aquela que ensina que todos nós fazemos parte do "todo humano", somos iguais na diferença, com nossos pensamentos, sentimentos e mistérios.

Sabe aquele livro que você quer ler, mas sempre tem uma desculpa para deixar para depois? Foi o que aconteceu com A Cidade do Sol. Minha irmã o tem faz tempo e sempre me dizia para ler, mas eu sempre dizia, depois leio e ano passado resolvi pegar emprestado e ler, gente, sabe o aquele livro que você começa a ler e não te envolve tanto? Então, pensei seriamente em abandoná-lo, mas resisti bravamente e disse a mim mesma que iria até o final mesmo sem gostar. E graças a Deus, não abandonei. Estou até hoje com ressaca literária, o li em Dezembro e ainda não consegui me desvincilhar da história. É um livro fascinante, uma leitura que nunca pensei que fosse me prender tanto, uma história que me fez chorar de soluçar, uma história que me fez ficar acordada até de madrugada, sabendo que teria que acordar cedo para cuidar do meu filho. Sério, não conseguia largar a leitura por nada, me prendi de tal forma a esse livro que ainda não consegui me desprender.


A primeira parte do livro conta a história de Mariam, que nasceu em 1959, em Herat, uma das maiores cidades do Afeganistão. Porém, ela é fruto de um adultério e, portanto, ela era uma harami, resultado de uma relação ilegítima. A família de sua mãe, ao saber da gravidez, foi embora, deixando-a sozinha. Ela passou, então, a morar em uma casa de tijolo com barro e palha, a qual foi construída por Jalil, pai de Mariam, o qual a visitava uma vez por semana e recebia o amor puro e intenso da garota e críticas silenciosas de Nana, mãe de Mariam, as quais, após a saída de Jalil, viravam gritos esbravejados, através dos quais Nana tentava mostrar a filha que, na verdade, aquele que a visitava a havia abandonado.

No seu aniversário de 15 anos, Mariam pede ao pai de presente que ele a leve ao cinema juntamente com seus irmãos para que ela os conhecesse e ele se compromete a fazer isso, contudo, no dia combinado, Jalil Khan não aparece. Mariam resolve, então, ir atrás dele em Herat, mesmo sabendo que Nana desaprovaria sua decisão e, ao chegar na casa do pai, não é recebida por ninguém. Ela percebe que ele está em casa, ela o vê e vê que ele não vem recebê-la. Dorme a noite inteira na calçada em frente a casa dele e, pela manhã, o motorista a leva para casa. Quando chegam lá, eis que Mariam se depara com a imagem de Nana morta, tendo cometido suicídio.

A partir de então, conforme a mãe de Mariam havia previsto, a sua filha estava só. Ela foi recebida na casa de Jalil e, no entanto, quando menos esperava ,a proposta do pai, da qual ela foi avisada por uma de suas esposas, era a de que Mariam iria ser dada em casamento a um homem que residia em Cabul. E, mesmo contra a sua vontade, realiza-se o casamento e Mariam, aos 15 anos de idade, torna-se esposa de Rashid.

"Aprenda isso de uma vez por todas, filha: assim como uma bússula precisa apontar para o norte, assim também o dedo acusador de um homem sempre encontra uma mulher a sua frente. Sempre."


Na segunda parte do livro, vai ser contada a história de outra mulher, Laila, que nasceu em 1978, 19 anos após Mariam, época em que os soviéticos já haviam invadido o Afeganistão. Laila era uma filha bem criada. Seu pai era professor e sua mãe detentora de muita força, ao contrário do pai, o qual era o intelectual. Ele sempre dizia que a filha poderia ser o que quisesse, que tinha a intenção de que ela estudasse, se formasse, para depois pensar em casar-se.

Laila tinha duas amigas, Giti e Hasina e um grande amigo, Tariq, o qual estava sempre com ela. Ela tinha também dois irmãos, Noor e Ahmad, os quais ela mal conhecia, pois há muitos anos eles tinham sido enviados como combatentes na guerra contra os soviéticos. Assim, a mãe de Laila se comportava como se só tivesse esses dois filhos, cujo retorno ela aguardava com muito prazer e fé. Na maior parte do tempo, Laila é que arrumava a casa e fazia as refeições junto com o pai. Num ou noutro dia, é que a sua mãe levantava-se e conversava um pouco.

Isso piora ainda mais quando eles recebem a notícia de que os dois tinham morrido em combate. A partir daí, a mãe de Laila passa a sentir várias dores e ter vários problemas, os quais são de ordem emocional e não física. Se antes, Laila era quase imperceptível aos olhos da mãe, agora ela passa a ser quase que totalmente invisível.

Em abril de 1992, quando Laila já tinha 14 anos, houve a rendição do presidente do Afeganistão, Najibullah, o qual, antes da presidência, havia sido chefe da KHAD, uma espécie de polícia secreta que ajudava os soviéticos. Ele nunca agradou o povo, pois queria passar uma imagem de bom homem, rezando numa mesquita, quando todos sabiam quantas pessoas tinham sido torturadas e mortas com sua autorização. Essa rendição representava a vitória pela qual os irmãos de Laila tinham lutado e morrido, portanto, essa notícia fez a mãe de Laila reviver, levantar-se, não vestir-se de preto, comemorar, enfim.

"Nunca deixaria sua marca no coração de mammy, como seus irmãos tinham deixado, porque aquele coração era uma espécie de praia desbotada, onde as pegadas da menina seriam sempre apagadas pelas ondas de tristeza que se erguiam e quebravam, se erguiam e se quebravam."

Entretanto, seis meses depois disso, o que se via no Afeganistão, especialmente na capital, Cabul, era guerra entre os próprios afegãos, para ver quem iria assumir o camando e quando Rabbani, antes do previsto foi eleito presidente, uma nova guerra se instalou no país, fazendo muitos fugirem e fazendo a mãe de Laila retornar ao quarto e novamente se fechar para o mundo.

A partir desses novos ataques vividos no Afeganistão, muitas pessoas começam a fugir do país e muitas mortes começam a acontecer. Enquanto o país vive essa guerra, Laila e Tarik se descobrem apaixanados e chegam a se entregar um ao outro, mesmo antes do advento do casamento. Porém, após esse momento, Tariq informa a Laila que pretende deixar o país junto com sua família como muitos outros estavam fazendo. Ele chama Laila para ir com eles, mas ela diz que não pode deixar a família, principalmente o pai.

Após a partida de Tariq, acontece o impossível para dificultar de vez a vida de Laila, a qual já estava bem difícil com a partida de seu amor. Quando finalmente a família de Laila decide fugir e estão se arrumando para isso, há um bombardeio que atinge a casa dela e a única sobrevivente é a própria Laila. Laila acorda, muito tempo depois, e se descobre na casa de seus vizinhos, Rashid e Mariam. Para permitir que Laila continuasse lá, Rashid, então, propõe que Laila se case com ele. Ela aceita o casamento, pois está grávida de Tariq e se torna a segunda esposa de Rashid aos 14 anos de idade.


Então, a partir daí, as duas últimas partes do livro vão contar como será a vida dessas duas mulheres sofridas, marcadas pela vivência em um país onde as mulheres não têm vez, que muitas vezes precisam usar burcas. Como será a convivência entre as duas? Como será a criação do filho de Tariq? Laila voltará a encontrar o seu amor? Ou será plenamente feliz com seu marido, Rashid? E Mariam conseguirá dar os filhos que Rashid gostaria de ter? Essas e outras perguntas serão respondidas paulatinamente à medida que se lê esse romance espetacular, cuja leitura é recomendadíssima, pois, além de termos uma história linda de amizade e cumplicidade, temos também uma verdadeira aula de História do Afeganistão, dada de maneira leve. Por esses e outros motivos, vale muito a pena gastar tempo para ler esse romance, do qual dificilmente nos esqueceremos.

Título A Cidade do Sol// Autor Khaled Hosseini// Páginas 368// Editora Nova Fronteira// Minha Classificação 5/5

2 comentários:

  1. Tenho um grande carinho por esse livro,pois foi um dos primeiros livros críticos que eu jã li. Até então nunca tinha lido nada que mostrasse uma cultura tão diferente da nossa. Amei sua resenha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse livro é incrível! Amo muito!!!

      Obrigada! ♥

      Excluir

Resenhas